Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Porto Alegre, 17 de Novembro de 2018. Aumenta a Fonte [ A + ]   [ A - ]  
 
23/04/2018

Leishmaniose Visceral Humana

Aumenta número de casos autóctones em Porto Alegre


A Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS) da Secretaria de Saúde de Porto Alegre emitiu um comunicado sobre o aumento de casos de leishmaniose visceral no município. O documento, fruto de um estudo que foi apresentado em março no Cremers, revela que a capital já registrou oito casos confirmados – sete autóctones e um importado. Os casos autóctones foram encontrados em regiões carentes do Morro Santana e Morro da Polícia. O caso importado é de moradora do bairro Lageado, zona Sul da cidade.

ALERTA PARA CASOS SUSPEITOS
Atenção para pacientes que apresentem fraqueza, icterícia, hepatoesplenomegalia, palidez, emagrecimento, febre alta prolongada e anemia. A maioria dessas pessoas vem de áreas carentes da cidade, com condições precárias de saneamento ou próximas a zonas de mata.
O diagnóstico pode ser feito através de teste rápido (sensível e específico, menos para HIV+, quando pode haver falso negativo), imunofluorescência, biópsia ou PCR de medula óssea, disponível na Secretaria da Saúde.

Notificação de caso suspeito:
É necessário notificar, por telefone, todo caso suspeito de Leishmaniose Visceral Humana já no momento do atendimento. Os exames sorológicos específicos serão encaminhados através da CVS no momento da notificação. É importante que seja feita a investigação de local de moradia, circulação em áreas de risco e viagens.
A notificação pode ser feita pelos telefones 51 3289-2471 e 3289-2472 (horário comercial) ou por telefone de plantão de conhecimento dos serviços de saúde à noite, finais de semana e feriados.

Sobre a doença:
A LVH é zoonose transmitida a humanos pelo flebotomínio ou mosquito-palha, e causada pelo protozoário Leishmania Infantum. Caracteriza-se por febre de longa duração, emagrecimento, anemia, leucopenia, plaquetopenia e hepatoesplenomegalia. Sem tratamento, ou com diagnóstico tardio, pode levar o paciente a óbito em alguns meses. Áreas endêmicas estão localizadas, basicamente, em parte nas Américas, da África e da Ásia. No Brasil, em 2015, foram confirmados 3.280 casos de LVH, com letalidade esperada no país entre 10 e 19%. A incubação pode levar de 10 a 24 meses, com média entre 2 e 6 meses.

CLIQUE AQUI PARA LER O COMUNICADO NA ÍNTEGRA

Institucional Câmaras Técnicas Comissões de Ética Conheça o CREMERS Contas Públicas Delegacias Diretoria Palavra do Presidente Vídeo Institucional História Cremers

Serviços Área do Médico Busca Empresas Busca Médicos Ativos CBHPM Concurso Emissão de Boleto Empregos Eventos Inscrição de Empresas Inscrição Médicos Licitações Pareceres e Resoluções Perguntas Freqüentes Pessoa Jurídica Propaganda Médica Registro de Especialidade Médica

 

 

Imprensa Artigos Assessoria Informativo Cremers Notícias Twitter

Publicações Apresentações para Download Biblioteca Código PEP Regimento Interno dos Corpos Clínicos

 

Contato Fale com o CREMERS Fale com o Presidente Ouvidoria

 

 

 

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul - Copyright 2018 ©
Av. Princesa Isabel, 921 - Bairro Santana
Porto Alegre - RS - CEP: 90620-001
Telefone: (51) 3219-7544
Fax: (51) 3217-1968
E-mail: cremers@cremers.org.br
Horário de Atendimento:
De segunda-feira a sexta-feira
Das 08h40min às 18h00min