Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Porto Alegre, 15 de Setembro de 2019. Aumenta a Fonte [ A + ]   [ A - ]  
 
19/04/2013

Marcapassos e desfibriladores

Novas diretrizes orientam cardiologistas a anteciparem indicação de marcapassos e desfibriladores


Implante precoce diminui a hospitalização, retarda a evolução da doença e diminui a mortalidade.

Nos próximos meses, cardiologistas de todo Brasil vão seguir novas orientações para implante de marcapassos, desfibriladores e ressincronizadores cardíacos. As novas Diretrizes de Dispositivos Implantáveis estão em fase final de desenvolvimento e serão discutidas no 40º Congresso da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV), entre os dias 18 e 20 de abril, em Florianópolis (SC).

O documento, que está sendo redigido pelo Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial (DECA) da SBCCV em parceria com a Associação Médica Brasileira (AMB), visa contemplar as novas recomendações das diretrizes europeia e americana.

Entre os principais pontos, destaca-se a indicação mais precoce da terapia de ressincronização cardíaca com os marcapassos multissítio, inclusive em pacientes assintomáticos ou pouco sintomáticos com insuficiência cardíaca, que atinge mais de 10 milhões de brasileiros e pode ter sua história modificada pelo uso dos ressincronizadores.

“Este foi um dos maiores avanços no tratamento da insuficiência cardíaca nos últimos 10 anos”, afirma o diretor científico do DECA, Antonio Vitor Moraes Junior. Ele explica que, pelas novas diretrizes, o ressincronizador deve ser indicado desde os estágios inicias da doença em termos de sintomas, ou seja, com poucos sintomas e assintomáticos, mas já com alterações significativas ao eletro e ecocardiograma. “Estudos internacionais comprovam que o implante precoce diminui a hospitalização, retarda a evolução, reverte alterações estruturais e diminui a mortalidade”, completa o especialista.

Em relação aos desfibriladores, é recomendado o uso cada vez mais abrangente nas síndromes genéticas arritmogênicas e na cardiomiopatia hipetrófica (que provoca o aumento do ventrículo esquerdo do coração, obstrução do fluxo sanguíneo). Esta última representa a principal causa de morte súbita em pessoas abaixo de 40 anos de idade. Pelas novas diretrizes, o desfibrilador implantável profilático é indicado a partir da presença de um único fator de risco maior. “História familiar de morte súbita, síncope (desmaios) e hipertrofia acentuada ao ecocardiograma são alguns desses fatores de risco”, exemplifica o diretor científico do DECA.

No Brasil são realizados cerca de 18 mil implantes de marcapassos, desfibriladores e ressincronizadores por ano.

Fonte: SBCCV

Institucional Câmaras Técnicas Comissões de Ética Conheça o CREMERS Contas Públicas Delegacias Diretoria Palavra do Presidente Vídeo Institucional História Cremers

Serviços Área do Médico Busca Empresas Busca Médicos Ativos CBHPM Concurso Emissão de Boleto Empregos Eventos Inscrição de Empresas Licitações Pareceres e Resoluções Perguntas Freqüentes Pessoa Jurídica Propaganda Médica Registro de Especialidade Médica

 

 

Imprensa Artigos Assessoria Informativo Cremers Notícias Twitter

Publicações Apresentações para Download Biblioteca Código PEP Regimento Interno dos Corpos Clínicos

 

Contato Fale com o CREMERS Fale com o Presidente Ouvidoria

 

 

 

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul - Copyright 2019 ©
Av. Princesa Isabel, 921 - Bairro Santana
Porto Alegre - RS - CEP: 90620-001
Telefone: (51) 3300-5400 e 3219-7544
Fax: (51) 3217-1968
E-mail: cremers@cremers.org.br
Horário de Atendimento:
De segunda-feira a sexta-feira
Das 08h40min às 18h00min